Fóruns Irmãos
0 de 5
Créditos
» Skin obtida de Captain Knows Best criado por Neeve, graças às contribuições e tutoriais de Hardrock, Glintz e Asistencia Foroactivo.
» Com gráficos e modificações por Hades e Zeus.
Elite
0 de 9
Comum
0 de 33
Últimos assuntos
» Flood 4.0
Hoje à(s) 21:57 por Freya Magnum

» Pego - Namoro - Passo - Caso - Morre Diablo!
Ontem à(s) 11:26 por Hylla K. Werstonem

» Pedidos de Missões
Ontem à(s) 8:53 por Nyx

» Chalé dos Filhos de Hécate
Qui 20 Jul 2017 - 14:28 por Freya Magnum

» Cozinha do Apartamento
Qua 19 Jul 2017 - 18:25 por Isabelle Duchanne

» Reclamação Divina
Ter 18 Jul 2017 - 19:27 por Hécate

» Pra mim você é
Ter 18 Jul 2017 - 14:48 por Tay Branwell Carstairs

» Playlist qq
Seg 17 Jul 2017 - 22:06 por Ivy La Faye

» Templates, Sign e whatever
Seg 17 Jul 2017 - 18:24 por Zoey Montgomery

» O que faria se acordasse ao lado da pessoa acima?
Dom 16 Jul 2017 - 17:40 por Tay Branwell Carstairs


[RP] Alasca Moon

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

[RP] Alasca Moon

Mensagem por Alasca Moon em Sex 27 Dez 2013 - 21:39



alasca moon
23 • bissexual • melinoe

Em Atlanta, muitas crianças nascem, e eu não era diferente. Tinha minha certidão de nascimento, com o nome de meu pai e apenas isso. Não sabiam nada de minha mãe, nem de mais ninguém de minha família. Meu pai... Bem, era um nome que ele havia dado quando me deixou naquele lugar, e eu estava ali, ainda. Apesar dos olhos castanhos e curiosos, e dos cabelos loiros e relativamente longos, nenhum casal conseguia ficar perto de mim tempo o bastante para gostar da minha companhia.

Eu era mais do que apenas uma aberração lá, onde todos tinham medo de mim, se mantinham longe. Não era a criança modelo do lugar... Meu pai... A culpa era toda dele, ele tinha me deixado ali, ele tinha desistido de mim. Sequer sabia a verdade, mas minha mente infantil acreditava que tudo o que acontecia de mal era culpa dele, que tinha sido irresponsável e me deixado ali, que tinha me abandonado quando ainda era quase uma recém-nascida.

O único que conseguia suportar... Bem, foi meu pai adotivo. Pelo menos por um tempo. Não muito longo, eu diria. Poderia ter sido uma garota feliz depois de ser adotada por Andresson e Katryn Kutsberch, fosse pelas constantes visitas de amigos que mais ninguém via. Por muito tempo meus pais adotivos pensaram que eram apenas amigos imaginários, que eu criara para suprir a falta de meus pais biológicos no orfanato, onde vivi até os 6 anos de idade, quando eles me tiraram de lá, ao me adotarem, mas o tempo não curou isso como eles esperavam.

E eu continuava a falar sozinha, segundo eles. Era uma linda garota, mas os assustava com minhas conversas, com minha maneira de agir, sempre mostrando que sabia o que queria e sendo uma garota diferente da maioria. Todas as crianças tinham medo de mim, eu não era um pequeno gênio, mas eles não poderiam mais me devolver para o Estado, já que tinham me adotado. Meu quarto, que eu mesma decorara, era pintado de um tom de gelo, mas os moveis escuros e fantasmagóricos assustavam a todos os que viam. Eu não fazia parte do mundo deles, de lindas moças e obedientes, alem de perfeitas damas. Tanto, que quando completei 10 anos, me mandaram para a Academia Clarion para Moças.

Não preciso afirmar, para que saibam, que foi um verdadeiro pesadelo. As garotas que estavam lá, mesmo que obrigadas, se viam mudar pela escola, se adequar aos padrões exigidos, menos eu. Eu nunca estava de acordo. Minhas roupas não eram adequadas, meus modos eram péssimos, eu causava medo em todas, era forte e poderosa, e tinham medo de mim. Me divertia com aquela escola, mas me sentia traída.

Cinco anos depois, aos 15, recebi a noticia de que minha mãe adotiva conseguira engravidar. Eles me chamavam de volta para casa. Nunca terminei essa viagem. Não havia coisa mais simples do que apenas pegar um trem em vez de outro e ir para onde quer que a vida me levasse. Tinha bastante dinheiro e poderia me cuidar, já que tinha 15 anos. Mas não precisei me cuidar sozinha por muito tempo. Logo que cheguei em Nova York, muitas coisas aconteceram, e a principal foi que encontrei um Sátiro. Não sei o nome dele, mas apenas que ele estava em uma missão bem diferente, e que me encontrou. Chegar ao acampamento não foi algo diferente de mais um passeio, exceto pelo fato de que todos os campistas pareciam achar aquele o lar deles, menos eu. Eu não queria estar ali mais do que queria estar em minha casa. Deveria haver outra maneira de me sentir bem, que não fosse naquele lugar.


Última edição por Alasca Moon em Seg 5 Dez 2016 - 20:20, editado 3 vez(es)



nós que vivemos aqui, não somos mais do que fantasmas ou ligeiras sombras.
avatar
Filhos de Melinoe
$D :
78970

Idade :
23

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: [RP] Alasca Moon

Mensagem por Alasca Moon em Sex 19 Dez 2014 - 19:27

alasca & isabelle
amiga de infância, cordialidade
» Conheceu Isabelle quando ainda morava com seus pais em Atlanta, e durante dois anos, a morena foi sua melhor amiga, mas depois ela sumiu e Alasca foi mandada para o internato;
» Reencontrou-a no Acampamento, no ano em que chegou, mas agora, Alasca trata-a cordialmente, pois não tem certeza de que a garota se lembra dela;
» Uma das maiores vontades de Alasca é refortalecer o laço de amizade com Isabelle, mas não sabe como fazer isso.


Última edição por Alasca Moon em Seg 5 Dez 2016 - 20:23, editado 2 vez(es)



nós que vivemos aqui, não somos mais do que fantasmas ou ligeiras sombras.
avatar
Filhos de Melinoe
$D :
78970

Idade :
23

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum