Últimos assuntos
» Pego - Namoro - Passo - Caso - Morre Diablo!
Hoje à(s) 13:13 por Freya Bryndísarson

» Pra mim você é
Hoje à(s) 13:13 por Freya Bryndísarson

» Pedidos de Missões
Hoje à(s) 9:53 por Nyx

» Flood 4.0
Ontem à(s) 22:26 por Urania Lesauvage

» Barraca do amor / Procura-se
Ontem à(s) 18:38 por Cecília Salvatore

» Chalé dos Filhos de Thanatos
Ter 12 Dez 2017 - 22:13 por Cecília Salvatore

» O que faria se acordasse ao lado da pessoa acima?
Ter 12 Dez 2017 - 13:18 por Hylla K. Werstonem

» Templates, Sign e whatever
Seg 11 Dez 2017 - 22:59 por Ulrick Lively Waldorf

» Reclamação Divina
Seg 11 Dez 2017 - 11:52 por Deméter

» Jogo Do Colegial
Sex 8 Dez 2017 - 21:50 por Leonard Hui

Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit, sed do eiusmod tempor incididunt ut labore et dolore magna aliqua. Ut enim ad minim veniam, quis nostrud exercitation ullamco laboris nisi ut aliquip ex ea commodo consequat. Duis aute irure dolor in reprehenderit in voluptate velit esse cillum dolore eu fugiat nulla pariatur. Excepteur sint occaecat cupidatat non proident, sunt in culpa qui officia deserunt mollit anim id est laborum.

------- Deuses -------
Lissa
Dona da poha toda
Fundadora
Enviar MPVer perfil
Afrodite
Espelho, espelho meu
Adm Master
Enviar MPVer perfil
Zeus
Zeusa, com S
Adm Master
Enviar MPVer perfil
Nyx
Rainha da Noite
Adm Master
Enviar MPVer perfil
Hécate
Mãe de todos
Adm
Enviar MPVer perfil
Poseidon
Rei do Sushi
Adm
Enviar MPVer perfil
Hera
Corna
Adm
Enviar MPVer perfil
Hades
Suco de caixinha
Adm
Enviar MPVer perfil
------- DHB Awards -------
Premio obtenido
Nombre apellido
Premio obtenido
Nombre apellido
Premio obtenido
Nombre apellido
Premio obtenido
Nombre apellido
------- Parceiros -------

Parceiros
---------- CRÉDITOS ----------

Teste para Filhos de Poseidon

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Teste para Filhos de Poseidon

Mensagem por Zeus em Qua 30 Mar 2016 - 20:55

Teste para Filhos de Poseidon

Para ser reclamado pelo Senhor dos Mares, poste a ficha abaixo e o Respectivo Deus atualizará conforme a coesão e coerência disposta na narração que seus futuros filhos farão. No máximo três filhos a cada mês, sem mais.



Nome: nome completo do personagem, sem abreviações.
Idade: idade do personagem.
Porque quer ser reclamado por esse Deus: minimo de cinco linhas completas.
História: minimo de quinze linhas completas
Lute contra um monstro: Neste caso, o semideus deverá lutar com um monstro de nível mediano, atentem que a palavra é LUTAR e não MATAR. Um bestiário será disponibilizado no decorrer do mês de abril.
Habilidades:Você encontra aqui.
Presentes de reclamação: Presentes de reclamação que escolheu de acordo com o tópico aqui.

Atenciosamente a Administração
avatar

Deuses
Deuses


Ficha Olimpiana
Vitalidade (HP):
1000000000/1000000000  (1000000000/1000000000)
Energia (EP):
1000000000/1000000000  (1000000000/1000000000)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Teste para Filhos de Poseidon

Mensagem por Maven S. Young em Qui 8 Dez 2016 - 23:25

oceans ♆
It feels like there's oceans between me and you once again. We hide our emotions, under the surface and tryin' to pretend. You know I'd rather drown than to go on without you, but you're pulling me down.


Nome: Maven Scott Young.

Idade: 16 anos.

Porque quer ser reclamado por esse Deus?: A bipolaridade do mar é algo que me atrai muito a atenção. O poder de ser completamente gentil e paciente em um momento e completamente brutal em outro, é algo muito precioso para a personalidade de Maven. Além disso, Poseidon é a personificação do lugar que mais amo do mundo e sempre foi meu sonho ser seu filho.

História & Luta

11 de dezembro de 2007, Newport Beach, Califórnia.


A manhã já dava sinais de sua chegada e apenas o Sol havia se esquecido de aparecer. O relógio na cômoda marcava a falta 3 minutos para completar 5 horas da manhã e a cidade já começava a se levantar. A mulher no quarto do lado saía do banho com o cabelo ainda pingando. As costas arqueadas denunciavam o cansaço do turno de 36 horas no Newport Bay Hospital. Com um suspiro, passou a mão pelos fios molhados em seu cabelo e resolveu que seriam apenas 10 minutos a mais, ela conseguiria.

Não dava para acreditar que todo aquele alvoroço era do simples e pequeno alarme ao lado da cama do mais novo. Os poucos dois toques que deu antes de ser desligado por Maven, foram o suficiente para dar a certeza a qualquer pessoa a dois quilômetros de distância que algum animal estava sendo maltratado. Maven mal abriu os olhos e já estava embaixo da água gelada do chuveiro. Seu pequeno corpo vibrava de animação pelo que estava para acontecer mais tarde. No andar debaixo, Hannah preparava o café da manhã do filho ao som de louça sendo lavada.

A cada dos Young não era nada demais. Pertencia à família a três gerações e Hannah havia herdado-a depois do falecimento de sua mãe, já que seu irmão William não tinha nenhum interesse em ficar preso em um só lugar. A casa era pequena, feita completamente de bambu com apenas pouquíssimos cômodos. No andar debaixo, a cozinha e a sala ocupavam um mesmo local, divididos apenas por um balcão de bambu utilizado como mesa de jantar. Um pequeno banheiro para hospedes ficava num corredor que a escada criava. Já no andar de cima, duas suítes pequenas finalizavam a casa. Tudo ali não deixava esquecer por nenhum momento a praia logo a frente, tão perto que a própria porta da casa tinha que lidar com os montes de areia que podia se acumular ali.

O barulho seco e rápido de pés, indicaram à mais velha que o garoto descia correndo as escadas. Maven mal se continha com tamanha ansiedade e nervosismo, estava explicito no pequeno sorriso e em suas palavras de bom dia ao se sentar no banco alto do balcão. Hannah terminou a panqueca, colocando-a no prato e deixando em frente ao seu filho.

— Nervoso para hoje? — sorriu ao se apoiar no balcão observando-o comer. Ele já havia crescido tanto para um garoto de apenas 7 anos. Ela conseguia ver os traços firmes de seu pai no garoto e aquilo a trazia lembranças boas. Não gostava de pensar no pior, quando pensava no homem que havia se apaixonado, ela só pensava em todos os carinhos, todo o amor compartilhados pelo jovem casal.

— Já venci muitos campeonatos, mamãe, sei o que estou fazendo. — seu balançar de ombros tentava passar uma confiança que claramente não existia ali. Hannah sorriu. Maven era uma criança muito amável, mas ainda não sabia lidar com suas emoções, muito menos controlá-las.

— Maven, é normal ficar nervoso, na verdade isso é até saudável. — afagou o rosto do garoto que tinha a boca cheia. — Significa que algo é importante para você. — ele assentiu com um suspiro, talvez aliviado por poder demonstrar seu nervosismo. — Só não deixe isso lhe dominar, use o seu nervosismo ao seu favor... Abrace-o sabendo que existe, mas use dele para lhe dar forças de lutar pelo seu desejo. — ela sorriu passando tranquilidade para o menor.

— Você estará lá hoje, mamãe? — perguntou o garoto, servindo-se de suco de morango. Era seu suco favorito da vida e nunca faltava naquela casa.

— Não perderia por nada! — depositou um beijo no alto da cabeça do garoto enquanto o observava voltar sorrindo para o andar de cima. Um último suspiro, só mais alguns minutos e poderia se deitar. O garoto voltou, descendo com a prancha embaixo do braço e com um beijo se despediu de Hannah, indo para seu reconhecimento.


O dia fora da casa já estava um pouco mais claro, o Sol finalmente havia começado a dar suas caras, embora o amanhecer ainda não tivesse realmente aparecido. O mar ainda estava calmo, parecia estar acordando aos poucos junto com o dia. Maven sentiu o corpo começar a relaxar ao sentir a água gelada do The Wedge molhar seu corpo. A correnteza ali estava constante, não muito forte, mas ao mergulhar o garoto sentiu sua força reprimida, sabia que na hora do pico, quando chegasse a hora do campeonato, aquele lugar estaria completamente irreconhecível comparado àquele momento.

*****

— Vamos vamos, finalistas por favor me acompanhem, vamos!

"Estamos nos preparando para mais uma final e as coisas estão bem quentes com esses finalistas, não acha Felton?"

— Maven Young, Kyle James, Logan Ferg, George Ylton, por aqui! Vamos rapazes! — escutei alguém chamar o meu nome e fui em direção a moça que falava. Meu corpo voltou a tremer sabendo que estava tão próximo. Eram muitas vozes ali, muitas pessoas falando, a produção gritando ordens uns para os outros, o auto falante com a locução de York e Felton deixava todos os torcedores a par do que estava acontecendo. Meu coração batia alto no meu ouvido e senti minha mão suar segurando a minha prancha.

— Preparado para os caldos, perdedor? — Kyle estava ao meu lado. Ele era o garoto mais irritante e prepotente de toda a Newport Beach Elementary School. Era o valentão da 5º série e vivia mexendo com os garotos da minha sala, sempre acompanhando dos amigos babacas dele. Por mais que fosse 3 anos mais velho, ele não nos deixava em paz.

— Quem deveria estar se preparando para eles é você, Kyle. Eu vim aqui pra mostrar pra vocês como se surfa de verdade em Newport. — terminei de fixar o leash. Já estávamos na linha de saída, esperando todos estarem prontos e então a largada. Era a minha primeira vez no sub 11. Era o mais novo do campeonato e apenas havia conseguido um lugar porque já estavam cansados de me ver ganhando de lavada dos garotos da minha idade.

— Haha, como se um pirralho como você fosse capaz de algo. — Agora era Logan quem falava. Um dos babacas de Kyle.

— Estou na final, não estou? — encarei-o por alguns segundos, vendo sua expressão ficar preocupada.

Alonguei meus braços um pouco e deixei que todo o burburinho das pessoas da praia e dos outros competidores sumissem. Era apenas eu, minha prancha e o mar. Ao pensar nisso, senti uma tranquilidade passar pelo meu corpo. Eu simplesmente adorava aquela sensação. Alguém disse algo perto de nós, mas não entendi. Não tinha o que pensar, no segundo seguinte o sinal tocou e todos nós corremos para água. Fui o último a entrar no mar, porém em poucos segundos eu já havia passado dos outros três. Todos ali estavam cansados por causa das outras baterias, mas eu não. Me sentia renovado sempre que entrava na água. Já havia passado a arrebentação fazia uns minutos quando os outros chegaram perto.

— Que vença o melhor. — soltei virando a prancha. A corrente havia mudado e com meus pés havia sentido isso, mas nenhum deles viu. Algum falava alguma coisa, mas não prestei atenção porque no segundo seguinte estava remando. Não havia nada aparente, não tinha nenhuma onda ali, mas eu sentia, estava vindo e aquela seria importante. Alguém estava zoando comigo, mas não conseguiu terminar ao ver a bela onda se formando. Com o canto do olho vi Kyle tentando inutilmente entrar, porém eu já estava dentro e ele tomava o caldo mais bonito que já tinha visto.

*****

A praia estava uma loucura. Eram muitas pessoas gritando em comemoração, em raiva. A narração do auto falante agora demonstravam suas próprias opiniões enquanto os garotos voltavam a areia. Uma rodinha foi formada em volta de Maven, enquanto ele tentava sorrir e cumprimentar todos que estavam ali. Um repórter junto com um câmera se aproximaram, abrindo espaço entre as pessoas para conseguirem uma exclusiva com o mais novo campeão estadual. Era então seu sonho começando a se realizar. O título do circuito estadual lhe dava garantia de participação no circuito nacional do sub 11, o que consequentemente poderia abrir portas para um sub 13 e assim por diante. Lá no fundo o garoto sentia que poderia ser o próximo mais novo campeão mundial de surf na categoria profissional, esse era seu sonho.

Hannah observava de longe, sorrindo orgulhosa pelo filho. O garoto estava cercado, o barulho era completamente caótico e no momento seguinte, viu o rapaz ser erguido no ombro de alguém, enquanto o carregavam para o pódio. Era visível a felicidade de Maven, assim como o reflexo dela em sua mãe. O garoto procurou seu rosto familiar pela multidão por alguns segundos, para então encontrá-la acenando e sorrindo. Seu sorriso duplicou de tamanha, ela estava ali e ela tinha visto. Seus lábios formaram um "Eu te amo" tendo uma resposta igual de sua mãe. Aquele momento era do menino e ela achou que seria melhor deixo-lo curtir a sua própria maneira.

No meio da multidão que aplaudia e comemorava com os rapazes ao pódio, entre as vozes alegres do auto falante, uma moça se destacava. Seus roupas eram mais formais, seu expressão séria e seus completamente penetrados no garoto ao meio. Parecia alheia a toda animação e alegria ao seu redor, já que seu semblante não demonstrava nem um pouco de empatia com a multidão e sim uma grande e visível impaciência. Parecia com pressa, como uma mãe cansada de esperar que tudo aquilo acabasse logo para que pudesse voltar ao trabalho.

Maven desceu, as pessoas começaram a se acalmar na comemoração, a organização a arrumar tudo e a mulher se aproximou. Barrou o caminho do garoto e o pegou pelo braço. Ninguém ali pareceu notar que uma mulher arrastava o campeão pelos braços. O garoto tentou se soltar, mas seu aperto era muito firme, mal houve tempo de tentar gritar, já que estavam longe demais das pessoas para tentar ser ouvido, ainda mais com todas as vozes ainda presentes.

— Não vamosss nosss demorar, certo semideusssss? — seu sotaque era estranho, um sibilo como o de... Ela se virou para o menor e seus olhos se arregalaram. A mulher não era mais uma mulher. Ou melhor, era, mas era algo mais também.

— O que tá acontecendo? — foi o que conseguiu falar antes que fosse atacado. Ele correu, se desviando das unhas do que antes era uma mãe executiva. Seu corpo humano agora era metade réptil. Onde ficam suas pernas finas e cumpridas, agora davam lugar para dois troncos de serpente. Seus olhos, antes humanos, eram fendas escuras em uma íris amarela, como felinos.

A Dracaenae atacou novamente fazendo um rasgo no braço de Maven que não conseguiu desviar rápido demais, porém não foi pego. Ele ainda tentava entender o que estava acontecendo, não conseguia ver as pessoas na praia mais e agora se perguntava onde estava sua mãe, com certeza ela saberia a resposta para aquilo, ela sempre sabia. Uma das pernas do monstro se adiantou, fazendo o garoto tropeçar. Sangue quente molhou seus cabelos escuros enquanto tentava inutilmente se levantar.

— Mãe! — gritou atordoado, se arrastando no chão. A Dracaenae riu, sua língua sibilando enquanto se aproximava lentamente, saboreando no ar o gosto de semideus tão fresco quanto aquele. Os mais novos costumavam ser uma delícia. — Mamãe! — o garoto choramingou, sentindo o sangue escorrer em sua testa, seu rosto. Sua visão começou a ficar embaçada, sentiu a pele fria reptiliana do monstro tocando suas pernas e então seu corpo foi virado, dando visão dos olhos famintos de sua perseguidora, enquanto suas unhas cravavam fundo em seus braços.

— Você é meu, garoto. — sua boca se contorceu no que parecia ser um sorriso, porém aquela visão era completamente assustadora. Sua língua para fora, a centímetros da ponta do nariz de Maven, era aquilo, era o fim.

— Mamãe... — um último suspiro saiu de sua boca, antes de tudo ficar preto.

*****

A enfermaria estava em silêncio, como de costume. Os campistas responsáveis por aquele turno caminhavam pelo local, checando os que já haviam acordado, enquanto no fundo na sala um gemido era audível.

— A quanto tempo ele está assim? — perguntou o sátiro ao adentrar a enfermaria.

— Desde que o deixou ai ontem. Acredito que deva estar em choque, está resmungando sobre o ataque, chamando pela mãe. É um garoto muito novo esse que conseguiu. — Octavia deu de ombros. Estava acostumada com aquilo, muitos campistas novos chegavam daquela forma, mas um simples olhar para Klub demonstrava que o sátiro não se sentia da mesma forma.

— Sim, ele é. Quase não chego a tempo para resgatá-lo... — sua voz saiu dolorosa ao se lembrar da cena.

— Está tudo bem agora. — a prole de Apolo tocou em seu ombro, confortando-o e continuou a andar, voltando ao trabalho.

Klub foi até a última maca e se sentou na cadeira ao lado. O garoto ainda se mexia muito, como que preso em um sonho ruim e aquilo pareceu mexer com o sátiro. Se ele tivesse chego só um pouco mais cedo, talvez... Ele nunca havia falhado em uma missão, mas estava com medo de perder aquele. Não parecia justo perder um garoto tão novo.

— MAMÃE! — Maven gritou, levantando-se tão rápido que o sátiro não conseguiu acompanhar. Mas no momento seguinte, o garoto já estava sendo acalmado e colocado de volta a cama por Octavia. — O que tá acontecendo? Quem é você? Cadê minha mãe? MÃE?! — o mais novo ofegava, seu corpo doía e ele sentia sua cabeça pulsar tão alto que quase podia imaginar que era assim que um prego se sentia ao seu martelado.

— Está tudo bem, Maven. — Klub falou e o garoto pareceu vê-lo pela primeira vez. — Você está seguro, está num hospital, estamos tratando da sua cabeça, você lembra que caiu e bateu? — Octavia dava um pouco de néctar e ambrósia misturado com um soro que o faria dormir, enquanto o garoto o encarava assustado. — Descanse um pouco, assim que acordar responderei todas as suas perguntas, agora relaxa. Você está seguro. — foi o que ouviu antes de ver os olhos do garoto pesarem e então se fechar.


Habilidades: Defesa e Resistência.

Presentes de Reclamação: ♆ Tridente de Atlantis — Forjado pelos ciclopes com um metal raro encontrado apenas no fundo do oceano, sendo uma réplica da famosa arma de seu pai. As três pontas do tridente representam três tipos de armas diferentes: a ponta esquerda representa uma espada, a do meio representa uma lança e a da direita representa um punhal. A arma poderá ser escolhida pela prole de Poseidon e, em questão de segundos, o tridente ganhará a forma escolhida. Além de poder ser utilizado em sua forma original. Só pode ser manuseado pela prole do deus, caso outro semideus ou criatura o empunhe, será consumido por várias chamas de fogo grego.

♆ Escudo Oceânico — Um escudo circular forjado com o mesmo material do tridente. Pode suportar até os mais fortes impactos, diminuindo a capacidade do contato em até 30%. O escudo, a cada choque de armas contra ele, reproduz uma onda de tremor de terra em direção ao seu inimigo, conseguindo, dessa forma, desequilibrá-lo e, com sorte, abrir uma abertura de ataque para a prole.

♆ Armadura de Hidra — O grande Herácles (talvez o mais poderoso semideus da história) derrotou a Hidra, deixando-a presa debaixo de uma enorme pedra. Como a Hidra é um monstro de natureza marinha (mesmo que se apresente, as vezes, em terra), Poseidon tem domínio sobre ela. Dessa maneira, uma armadura foi feita para os filhos do mar, usando couro e escamas da Hidra. Extremamente confortável, se adapta ao corpo de seu dono, não ficando nem folgada ou apertada e muito menos pesada. É quase como uma segunda pele. Além de proteger de qualquer ataque desferido com qualquer metal que não seja ferro estígio, a armadura ainda protege contra as ações do clima, resfriando quando for muito calor, e aquecendo em temperaturas baixas.
avatar

Filhos de Poseidon
Filhos de Poseidon


Ficha Olimpiana
Vitalidade (HP):
125/125  (125/125)
Energia (EP):
125/125  (125/125)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Teste para Filhos de Poseidon

Mensagem por Poseidon em Sex 9 Dez 2016 - 17:33

Avaliações
Vamos lá, primeiramente vamos analisar a sua escrita que não conteve erros ou incoerências, mas, pude perceber alguns erros de digitação e falta de algumas palavras que seriam necessárias para a compreensão da frase, mas, nada alarmante. Quanto a história, achei interessante sua escolha em narrar algo que acontecera no passado, foi bem pensado, e, me deixou com vontade de saber mais sobre a história de seu personagem já que isto foi apenas um recorte, espero por BMO's suas, rapaz.

Bom, queria dizer que você foi aprovado. Seja bem vindo, filho.
Atenciosamente a Administração



POSEI
so got me looking crazy in love
avatar

Deuses
Deuses


Ficha Olimpiana
Vitalidade (HP):
100/100  (100/100)
Energia (EP):
100/100  (100/100)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Teste para Filhos de Poseidon

Mensagem por Lilith Stavros em Dom 8 Jan 2017 - 2:06

M E R M A I D

NOME: Lilith Stavros

IDADE: 22 anos

DEUS(A) ESCOLHIDO(A): Poseidon

PORQUE QUER SER RECLAMADO POR ESSE DEUS: ”Sereia”, eles dizem, ”Com certeza ela deve ser filha de Poseidon”

Como uma devota assídua do Deus dos Mares, Lilith sempre está a orla da praia, admirando agradecida as belezas que a imensidão azul proporciona. Ensinada desde criança a amar os deuses gregos e a eles orar, pedindo proteção, aprendeu também a importância de Poseidon especialmente em seu cotidiano. A personalidade cativante, sedutora e deveras misteriosa, fazem marinheiros de todas as partes, abarcarem seus barcos na praia onde reside na Grécia, desejosos por experimentar os lábios daquela sereia. Como o pai, a morena jamais deixaria uma paixão ou as águas sedutoras perderem um voluptuoso romance, deixando rastros de corações atingidos por todos os lados. Além do mais, seu temperamento imprevisível é visto por muitos como um empecilho e irrepreensível, fazendo-a acreditar de que esse era o ponto chave que a conectava com o deus.


HISTÓRIA:
Carmélia e Lourenço jamais imaginavam que tamanha alegria chegaria aos seus corações ao verem a pequena Lilith em seus braços, logo após o nascimento da pequena. Os sentimentos de proteção e carinho pela pequena pareciam aumentar ainda mais quando a mesma abriu levemente os olhos, conectando-se pela primeira vez no mundo com aqueles que ela logo aprenderia a chamar de pais. Em suas mentes, o passado lhes enviava as preciosas e dolorosas memórias que os levaram ao fatídico dia. Eram uma pequena e simples família, oriunda de Irapetra, na Ilha de Creta. Haviam sido ensinados por seus pais sobre o Olímpio e sabiam da importância que oferendas, orações e pequenos rituais tinham em suas singelas vidas. Por isso, tinham em sua casa pequenos santuários para os deuses do Olímpio, jamais esquecendo-se das bênçãos recebidas. Sua felicidade transpassava o trabalho de Lourenço, braçal como pescador, e de Carmélia, uma árdua tarefa de ensinar as crianças de seu humilde bairro a ler e escrever. Entretanto, mesmo diante de tanto amor, devoção e esforço, nunca tiveram seus próprios filhos. Ano após ano, os pedidos para que a esposa engravidasse e pudessem ter esta dádiva dos céus jamais havia sido atendida, até aquele momento.

Lilith cresceu de graça em graça, preceito sobre preceito. Seu peculiar interesse sobre os deuses era notado por todos os que passavam por sua vida, mas em especial, por Poseidon. Os pais a incentivavam a continuar suas orações pelos outros para que a ira deles não recaísse sobre sua cabeça, e a morena fazia, mas não da mesma forma que pelo Deus dos Mares. Era uma menina agradável, que gostava de auxiliar o pai em suas viagens de pescaria, ficando grande parte do tempo admirando as águas e imaginando o que existia em suas profundezas. Lourenço, mesmo sendo amado pela menina, às vezes sentia-se desconfortável e até mesmo trocado por Poseidon, quando a mesma parecia ter mais interesse em realizar pequenas oferendas para serem entregas ao mar do que presentes ao mortal. Aos poucos, sua própria desconfiança fora sendo passada de lado, ao questionar um dos amigos que supôs que a menina havia sido abençoada de alguma forma pelo deus e agora estava somente recompensando.

Com o tempo, o corpo começou a desenvolver-se e com ele a percepção infantil do mundo começara a se tornar mais realista. Sua voz de anjo e melodiosa, olhar misterioso e um sorriso impossível de decifrar atraiam aqueles que estavam desesperados por mais do que uma noite de amor intensa. Contudo, ela vivia estes momentos intensamente e logo estava envolvido com outro, da mesma forma e desejo que vivera com o anterior. Aos desavisados, os homens rancorosos lhes davam o doloroso aviso: Lilith era uma perfeita sereia. Ela os seduzia até si, tirando-lhes proveito ao seu máximo, para depois jogá-los nas profundezas e seguir para o próximo, impenetrável. Entretanto, mesmo tendo seus amores e paixões, era sempre vista sozinha. Seu caminhar pela areia, com os pés tocando a água ou até mesmo com metade do corpo imerso, a desconectava completamente do mundo ao seu redor, deixando-se prender pelo barulho das ondas e o cheiro salino do mar. Sua personalidade paradoxal e cheia de entrelinhas confundia até mesmo os mais avançados na arte da sedução, dando a ela a sensação de estar ainda mais conectada a Poseidon do que nunca.

Devido seu amor pelo mar, havia dado o seu melhor para aprender tudo o que o pai sabia sobre o mar, navegação, preparo de nós dentro dos barcos e também pesca. Com prática, a grega já era capaz de guiar o barco de seu pai até o grande oceano, jogar sua rede e, ao fim do dia, trazer a porção de peixes necessária para a subsistência de sua família e comercio. Ainda mais quando seu pai começara a ficar muito doente e cismava não querer ir visitar um médico ou curandeiro. Preocupada tanto com o homem quanto com o comércio da família, sugeriu de ir ao mar para pescar. Já estava com dezessete anos e sabia muito bem se virar e havia feito tantas vezes antes e em todas elas o sucesso tinha sido a sua vitória. Nada poderia dar errado, pensou ela quando sugeriu – Vai dar tudo certo, papai. Nunca tive problemas antes. Pode deixar que voltarei com o que precisamos para o comércio e comida - Comentou, entoando uma pitada de orgulho pelos seus feitos anteriores. Lourenço deixara de relutar, concedendo a permissão para a menina que já estava lhe dando um beijo rápido na bochecha e corria, descalça, pela areia até o barco.

Ao pisar dentro do barco, fechou os olhos, respirando fundo - Poseidon. Deus dos Mares. Proteja esta viagem. Que eu meu caminho seja claro e eu consiga obter os peixes para a nossa subsistência e comércio - Colocou as mãos juntas, recitando algumas palavras em um grego arcaico. Quando terminou sua prece ao deus com quem mais se conecta, ligou o motor, dando ré no barco, girando o leme com cuidado para não bater em ninguém. Acelerou o permitido dentro da baía e quando se afastou do modesto porto, acelerou o barco, seguindo em direção ao mar aberto. O sol estava magnífico para navegar e a quantidade de vento ideal para que movesse o mar, fazendo com que os peixes pudessem passar por suas correntes e fossem envolvidos pela precisa rede. Olhou para trás por alguns segundos, vendo os outros barcos que também começavam a seguir seus próprios rumos de pesca. Não estava interessada em ir tão longe e pela distância da baía para onde havia atracado, parecia ser o ideal. Afastou-se do leme, seguindo em direção as redes do barco, começando a organizar os nós necessários para quando fosse necessário puxar ela conseguisse sem precisar estragar as mãos para isso. Em meio ao seu trabalho e focada no mesmo, não percebera que houvera uma mudança de peso no barco. Muito menos que algo se rastejava pelo convés e seguia em sua direção, sem olhar para trás. Lilith começou a puxar a rede para cima e estava prestes a enrolar a corda na haste da enorme “vara de pescar”, quando sentiu algo puxar o seu pé com força.

- AAAAH! - Gritou assustada, antes de bater sua cabeça no chão de madeira. Tateou com a mão uma corda ou qualquer coisa que a impedisse de continuar sendo levada, mas o que encontrou fora somente uma das afiadas facas. Fincou o metal afiado na madeira e se segurou com ambas as mãos, enquanto o que parecia ser um ser envolvia suas pernas, prendendo-as com firmeza. Seu coração batia apavorado, mas ela não poderia ser sequestrada, não mesmo! Lilith tinha uma família para cuidar e precisava ter certeza de que estavam bem e voltar para casa com peixes. Conseguiu, por alguns segundos, mover a cabeça para baixo, vendo que era uma espécie de escama que envolvia suas pernas. Brilhava contra o sol e as diversas tonalidades de verde e azul misturavam-se em uma assombrosa pintura – Sinto muito - Grunhiu a morena sentindo os nós dos dedos começarem a arder devido a intensa força depositada sobre eles - Não estou interessada - Começou a sacudir as pernas, tentando afastar-se, mas parecia ser ainda pior, já que o corpo musculoso do monstro envolvera seu quadril e abdômen, não dando outra opção a jovem. Arrancou a faca da madeira e deixou-se levar para as profundezas do mar gelado.

A primeira coisa que fez fora prender a respiração. O mar onde estavam parecia mais denso que o comum, impedindo Lilith de ver a distância que estavam dos outros barcos. ”Caramba!”, exasperou-se em pensamento, ”Preciso sair daqui. Voltou a debater as pernas e o tronco, podendo agora tocar na fria escama que envolvia firmemente seu corpo, apertando cada vez mais. Decidira mudar os movimentos, girando o tronco de um lado para o outro, quando algo movera em sua direção, aumentando ainda mais a sensação de perigo à sua frente. A figura, extremamente similar à uma serpente, tomou forma à sua frente e a jovem arregalou os olhos. Jamais havia visto monstros do mar e havia, claro, ouvido falar sobre os mesmos e sabia que suas lendas eram fatais. Pensou em como havia orado para Poseidon, pedindo proteção antes começar esta viagem e sua mente lhe dizia para esperar que ele a livraria, mas seu coração mandou fazer algo. O monstro tinha olhos amarelados, guelras medonhas e um aspecto doentio, quase faminto, como se estivesse usando suas últimas forças para prendê-la e, assim, matá-la.

Sem mais delongas, a serpente parecia já haver decidido seu ponto final e começou a prendê-la ainda mais, enrolando seu corpo em volta ao da morena. Já imaginando que estava ficando sem alternativas, olhou para a faca em sua mão direita, arregalando os olhos. Essa era a solução! Girou a faca que ainda estava em suas mãos e fincou no corpo do monstro. Sentiu as escamas sendo rasgadas e chegando até os músculos. O sangue negro começou a flutuar e a serpente afrouxou o cerco, dando a grega a única chance que tinha de nadar até a superfície, pegar o barco e voltar para a praia. Seus braços começaram a puxar seu corpo já cansado da batalha para cima e seus pés batiam o mais rápido que conseguiam. Ainda assombrada com as imagens que havia visto, não conseguia imaginar como iria explicar aos pais que havia voltado à orla sem peixes. Estava prestes a chegar a superfície quando foi atingida pela mesma serpente, na cabeça, perdendo instantaneamente a consciência.


Dias Depois...


Os barulhos e som de conversas causavam uma intensa dor de cabeça. A luminosidade parecia ser também outro fator determinante para a irritação maior que a habitual. Moveu os dedos, na esperança de levar a mão ao seu rosto e criar algumas sombras. Para diminuir o desconforto, iniciou um doloroso processo de mover o corpo para a lateral, mas foi impedida. A voz, que informava que ela deveria respirar fundo e relaxar, não conseguia fazer com que Lilith se sentisse mais segura mas sim, confusa. Abriu os olhos, piscando diversas vezes e pode ver estranhas pessoas que pronunciavam o seu nome e explicavam de forma rústica o que ela precisava saber: estava segura e dentro do Acampamento Meio-Sangue. O que quer que isso fosse, não parecia ser boa coisa. ”O monstro me levara para outra parte do mundo?”, questionou-se, antes de se entregar mais uma vez às trevas, pedindo para que os deuses não a deixassem ir ainda.


HABILIDADES: +1 Resistência | +1 Defesa

PRESENTES DE RECLAMAÇÃO:
♆ Tridente de Atlantis — Forjado pelos ciclopes com um metal raro encontrado apenas no fundo do oceano, sendo uma réplica da famosa arma de seu pai. As três pontas do tridente representam três tipos de armas diferentes: a ponta esquerda representa uma espada, a do meio representa uma lança e a da direita representa um punhal. A arma poderá ser escolhida pela prole de Poseidon e, em questão de segundos, o tridente ganhará a forma escolhida. Além de poder ser utilizado em sua forma original. Só pode ser manuseado pela prole do deus, caso outro semideus ou criatura o empunhe, será consumido por várias chamas de fogo grego.

♆ Escudo Oceânico — Um escudo circular forjado com o mesmo material do tridente. Pode suportar até os mais fortes impactos, diminuindo a capacidade do contato em até 30%. O escudo, a cada choque de armas contra ele, reproduz uma onda de tremor de terra em direção ao seu inimigo, conseguindo, dessa forma, desequilibrá-lo e, com sorte, abrir uma abertura de ataque para a prole.

♆ Armadura de Hidra — O grande Herácles (talvez o mais poderoso semideus da história) derrotou a Hidra, deixando-a presa debaixo de uma enorme pedra. Como a Hidra é um monstro de natureza marinha (mesmo que se apresente, as vezes, em terra), Poseidon tem domínio sobre ela. Dessa maneira, uma armadura foi feita para os filhos do mar, usando couro e escamas da Hidra. Extremamente confortável, se adapta ao corpo de seu dono, não ficando nem folgada ou apertada e muito menos pesada. É quase como uma segunda pele. Além de proteger de qualquer ataque desferido com qualquer metal que não seja ferro estígio, a armadura ainda protege contra as ações do clima, resfriando quando for muito calor, e aquecendo em temperaturas baixas. .
@mih
avatar

Filhos de Poseidon
Filhos de Poseidon


Ficha Olimpiana
Vitalidade (HP):
100/100  (100/100)
Energia (EP):
100/100  (100/100)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Teste para Filhos de Poseidon

Mensagem por Poseidon em Sex 13 Jan 2017 - 19:39

Avaliações
Devo dizer que gostei bastante da sua forma de escrever, me deixou preso durante toda a leitura de sua ficha. Mas, percebi vários furos na história que você não explicou muito bem.

Ficou meio confuso se você já havia ou não vistou outros monstros, caso não, é meio difícil uma jovem de dezessete anos, sendo filha de um dos três grandes, não ter se deparado com nenhum monstro. MAS, vou considerar que você deixou isso implícito e que já tenha se encontrado.

A parte da batalha ficou interessante, mas, não entendi ao certo o motivo da serpente, vou considerar que ela tenha sido enviada por mim e tenha levado-lhe para o Acampamento a meu pedido.

Para finalizar, eu vou reclamá-la, pois, acho que sua ficha tem potencial e pode ter um bom desenvolvimento. Em suas próximas narrações evite deixar furos que podem levar o avaliador a ter uma outra percepção.

Sem mais delongas: Bem vinda, filha.
Atenciosamente a Administração



POSEI
so got me looking crazy in love
avatar

Deuses
Deuses


Ficha Olimpiana
Vitalidade (HP):
100/100  (100/100)
Energia (EP):
100/100  (100/100)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Teste para Filhos de Poseidon

Mensagem por Mufasa Hayes Reed em Ter 27 Jun 2017 - 9:12

PROCURANDO O NEMO

p sherman 42 wallaby way sydney



NOME: Mufasa Hayes Reed.
IDADE: 16 anos.
HABILIDADES: Defesa e resistência.

QUAL DEUS DESEJA SER RECLAMADO? Poseidon.

POR QUE? Poseidon é o deus dos mares e oceanos, terremotos e cavalos. Tudo isso, ainda assim, tornam-se pouco perto do que ele, de fato, representa. As idas e vindas do mar seriam os sentimentos, os estados de espírito. Os terremotos seriam sua ira e os cavalos, suas paixões. É por isso que Mufasa se identifica com o deus, a calma e plenitude e ao mesmo tempo o perigo e ira que giram dentro dele como as ondas no mar.

Meu nome é Mufasa, Mufasa Hayes Reed. E, bom, sou um criminoso. Se você não gosta de criminosos ou de histórias de criminosos, vou entender. Pode parar de ler e, bom, fazer algo melhor. Mas, se você quer saber o que aconteceu, continue. Garanto que essa será a pior história que você vai ler na vida, sei disso por que é a minha história.

Eu nasci no Novo México, EUA. Não lembro muito bem da minha infância, morava com minha mãe, frequentava a escola e coisas do tipo. Era um garoto normal, sem pai. Acontece que, em determinado dia, quando cheguei em casa, minha mãe estava caída no chão da cozinha e uma poça de sangue estava ao redor da cabeça dela. Pelo que os vizinhos me contaram, fora um assalto. Mas não haviam levado nada. Aquele fora o primeiro assassinato que eu veria, não seria o último.

Então me tornei uma criança de 8 anos órfã. Fui levado pelo juizado de menores e encaminhado para uma família nova. Você deve estar pensando: coitado, pobrezinho, tão jovem... Tudo bem, eu sei. Já me disseram muito isso.

A minha família nova era composta por um casal e uma filhinha: Os Turner. Eles queriam um filho homem mas a Sra. Turner não havia conseguido engravidar de novo, então, decidiram adotar um garoto cuja mãe havia sido morta. Bela família, não se engane. Sempre me trataram muito bem, cuidaram de mim o melhor que puderam. Mas eu já não era o mesmo garoto bobo.

Na escola, havia entrado para o clube de boxe e dedicava horas suadas aos treinos. Estava crescendo e meu corpo e força acompanhando isso de perto. Chegou então o meu primeiro campeonato, era a liga escolar. Eu iria lutar defendendo o título da escola.

Estava indo tudo bem, eu juro. O campeonato, as lutas e até o confronto final, ganhei o troféu de primeiro lugar e finalmente pensei que fosse me encaixar naquele meio. Estava enganado.

Foi o meu primeiro colapso, digamos assim. Eu estava caminhando pelo corredor da escola e me deparei com uma cena que fez meu estômago revirar e minhas falanges pulsarem: um garoto três vezes maior que o outro estava ameaçando bater em um nerd e fazendo-o de palhaço na frente de todos.

Não sei o que me deu na cabeça naquele momento. Eu nem sequer conhecia o outro garoto mas sem pensar parti para cima do valentão e bati tanto nele que ficou em coma. Quando dei por mim, estava envolto em uma poça d'água que diluia o sangue do outro. Fui expulso da escola depois disso, óbvio, e fui levado até o juizado novamente. Meus pais adotivos já não me queriam mais além de que tive que ficar meses em um reformatório com outros garotos tão problemáticos quanto eu.

Bom, não acaba por aí: o mesmo episódio voltou a se repetir mais cinco vezes, com cinco famílias distintas e mais cinco reformatórios.

Eu estava em minha última chance, deveria provar que era digno e me controlar ao máximo possível antes de ser mandado para a prisão de verdade. Mas o que aconteceu? Bom, você já deve ter adivinhado.

Estávamos na véspera do campeonato regional de futebol, todos da escola estavam ansiosos para o grande jogo do dia seguinte, enquanto isso, os jogadores haviam levado uma garota indefesa para os fundos da escola e estavam se aproveitando dela, contra sua vontade.

Eu não estava espiando ou nada do gênero, estava apenas passando por perto quando ouvi alguém chorar e pedir que parassem. Em resposta um coro de risos.

Aquilo revirou meu estômago e deixou minhas mãos tão quentes que não pude ver o que estava acontecendo:  parti para cima deles e comecei a bater sem ver em quem. Quando parei para respirar me deparei com sete jogadores de futebol jogados no chão, seus membros em posições estranhas e sangue por todo lado.

A garota não me agradeceu, eu também não esperava por isso. Saiu correndo e em pouco tempo depois eu já estava com minhas mãos enfaixadas dentro de um utilitário preto do governo, a caminho de mais uma conversa com o juiz.

*


- Bom, senhor Reed. Vejo que já nos encontramos de novo. - O juiz já estava familiarizado com o meu rosto, não era uma novidade estar ali pelo menos motivo anterior.  - Seis famílias, oito casos de agressão física e vários troféus no boxe. Estou certo?

- Sim, senhor.

- Reed, você me deixou em uma situação complicada. Sabe, era sua última chance. Você tem um histórico negativo tão grande aos 16 anos que quando chegar a vida adulta terá de ser preso imediatamente. E não falo de uma sentença curta. Me entende?

- Sim, senhor.

- Novamente eu pergunto: o que o motivou a fazer isso? Você conhecia ela? Tinham uma espécie de romance?

- Não, senhor.

- Você conhecia os garotos, então? Tinha alguma rixa?

- Não, senhor.

- Bom, não há o que fazer. As mesmas respostas novamente, Reed. Você sabe que bater em pessoas dentro de um ringue não é contra a lei. Instituímos você a seguir carreira desde cedo afim de que as agressões chegassem ao fim. A prova disso é que você conseguiu alcançar o troféu estadual! Então, por quê as agressões continuaram?

- Não sei, senhor.

O juiz suspirou e olhou para a pilha de formulários e queixas a meu respeito. Eu já sabia o que estava por vir.

- Reed, você se arrepende de ter batido naqueles garotos?

- Não, senhor.

O juiz assentiu pesadamente.

- Mufasa Hayes Reed. Tenho duas soluções para você: a primeira é mandá-lo direto para a prisão. Prisão de verdade. Onde você ficaria com prisioneiros de verdade: assaltantes, assassinos, estupradores... Cumpriria uma sentença de dez anos e então analisaríamos novamente o seu caso para decidir o que fazer. Gosta da ideia?

- Não, senhor.

- A segunda alternativa, não melhor, é encaminhá-lo para a ilha Fênix. Uma ilha que oferece treinamento militar para jovens problemáticos. Lá você aprenderá o que é certo e o que é errado, não de uma maneira atrativa. Você ficará lá até os 18 e então veremos se estará apto a ser uma pessoa digna e ter todos esses antecedentes excluídos ou enviado para a prisão, onde ficará por mais 2 ou 3 anos. Isso dependerá do seu comportamento, jovem. Acha que pode conseguir?

- Sim, senhor.

- Ótimo. Ainda acho que dará um bom policial, Reed. - O juiz sorriu para mim. - Nos vemos daqui a dois anos.

Naquele momento eu imaginei que ficaria bem, passar dois anos em uma ilha não poderia ser tão ruim. Bom, eu estava completamente enganado.

*


O avião rangia e tremia devido as turbulências. Pelo tempo que estavamos voando, deveríamos estar muito afastados, não só dos EUA como da própria América. Haviam me conduzido em um utilitário, duas vans, um ônibus e um avião caindo aos pedaços.

Eu não estava sozinho, se é o que pensa. Mas também não fiquei animado em ver quem era minha companhia. Haviam garotos e garotas, de todas as idades e feições. Era louco de se ver. Alguns tinham feições de garotos de rua, outros aparentavam ser de gangues. E ainda haviam aqueles que não faziam a mínima ideia do motivo de estarem ali.

O avião se inclinou para frente, começava a descer. Estávamos chegando ao local. Meu estômago embrulhou, não fui o único. Alguns garotos se iinclinram e vomitaram no piso da aeronave. O cheiro não ajudou a manter as tripas no lugar, mas, mesmo assim, tentei.

Estiquei o pescoço para olhar o que me aguardava do lado de fora e quase perdi o fôlego. Abaixo de nós, ficando cada vez maior, estava a ilha Fênix. Era um círculo de terra coberto por uma imensa floresta, de forma que só o que se podia ver era o verde e o branco da praia. Ao seu redor, não havia mais nada além do oceano. "Sem escapatória". Engoli em seco e me segurei mais forte na poltrona enquanto o trem de pouso era solto e entrava em contato com o asfalto da pista.

O avião parou pouco depois, abrindo a porta e fazendo o mormaço da ilha ir de encontro conosco.

Um homem musculoso adentrou a porta da aeronave, no momento em que a escada foi movida, e nos encarou. Sua expressão era dura e severa, ele estava vestido com roupas pretas, como a swat, porem, sem mangas. Imaginei que deveria fazer calor o tempo todo ali.

- Vocês, levantem-se! Garotos de um lado, garotas do outro! Vamos, seus molengas!

Nem um "oi" como apresentação... Afinal, o que eu esperava? Uma festa de boas vindas? Quase tive vontade de rir com a ideia, mas, ao invés disso, agarrei minha mochila de lona e segui os outros em direção ao asfalto escaldante do lado de fora.

Outros homens e também mulheres nos aguardavam. Todos vestidos com a mesma roupa preta, postos lado a lado com espaços de mesmo tamanho entre eles. As filas foram separadas pelo homem que entrara no avião,  de forma que cada grupo ficasse posto a frente de um dos guardas.

Uma mulher utilizando uniforme mais completo e uma boina no estilo sargento adentrou a pista a passos largos e se postou no centro, de forma que todos pudessem vê-la bem.

- Bem-vindos a ilha Fênix. Esqueçam tudo o que deixaram para trás, vocês, a partir de agora, serão esquecidos pelo resto do mundo, assim como seus pais ao morrer, Órfãos.  - Quer dizer que todos ali eram órfãos? Engoli em seco. - Agora, derramem o conteúdo de suas bolsas no chão. Todos os eletrônicos serão confiscados, assim como todas as lembranças. Vocês são ninguém. Repitam: nós somos ninguém!

- Nós somos ninguém! - O grupo, inclusive eu, gritamos.

Os guardas que estavam posicionados em frente as nossas filas começaram a caminhar, enquanto despejávamos nossos pertences no asfalto. Minha bolsa não tinha muitas coisas, apenas um iPod, uma muda de roupas e uma medalha, a última lembrança da minha verdadeira mãe.

Um guarda baixo, mas não menos musculoso, parou ao meu lado e confiscou meu iPod, assim como a mulher - superiora, imagino - falara. Mas também se abaixou e levou minha medalha ao seu bolso.

- Essa medalha é minha! - Falei antes de pensar.

Os guardas pararam o que estavam fazendo e olharam com um sorriso no rosto na direção em que estavamos.

- Como?

- Disse que a medalha é minha! Você a pegou! Devolva!

- Vejam só, temos um valentão aqui, órfãos! - Falou o baixinho sorrindo. - Você é ninguém, garoto. Não tem nada e não pertence a lugar nenhum.

O homem deu um chute na minha panturrilha e eu caí com as mãos no asfalto fervente.

- Frente! Vamos, vinte flexões. Quando eu disser frente, você faz flexões.

Comecei a erguer meu corpo: cima, baixo, cima, baixo. Para quem praticara boxe por um longo período da vida, aquilo não era nada. Apenas o asfalto escaldante fazia minhas mãos ficarem tão quentes a ponto de sentir como se estivessem geladas. Meus sensores estavam pirando.

Então um garoto pareceu achar graça na situação e riu, atraindo o olhar do guarda até ele.

- Está achando engraçado, órfão?! Vamos lá, frente! Pague vinte!

O garoto se abaixou e, ao tocar o chão com as mãos desnudas, começou a praguejar. Seus braços finos treimam com o esforço.

- Vamos! Costas! Quando eu disser costas vocês fazem abdominais!

Me deitei de costas sentindo o asfalto torrar minhas costas. Mas continuei a fazer, pena que o outro garoto não teve o mesmo sucesso. Começou a choramingar.

- Eu não consigo!

- Vamos logo! Vinte flexões! Frente!

- NÃO CONSIGO! O chão está muito quente!

- ESTÁ ME DESACATANDO, ÓRFÃO?!

- Não, senhor! Mas não consigo!

- Vejam o que acontece quando alguém desacata alguma ordem! Guardas, levem-no para a solitária! Um dia inteiro sem comer e sem beber nada!.

O garoto começou a chorar e foi erguido por dois guardas, conduzido numa direção que não pude prestar atenção, estava concentrado nos meus abdominais e flexões. Já estava começando a achar que ficaria o dia todo naquela e que não aguentaria quando o homem baixo falou comigo.

- Levante-se, valentão.  Espero que tenha aprendido a lição. Você não tem nada, é ninguém.

Me enfiei de novo na fila, e, percebi uma garota loira de expressão engraçada sorrindo para mim. Como alguém poderia sorrir em um lugar como aquele?

- Bem vindo a Hogwarts, amigo! - Ela sorriu.

Eu não sabia o que era Hogwarts, mas com certeza não poderia ser tão ruim quanto aquele lugar.

A mulher de boina fez um sinal para nós e começamos a caminhar, fila ao lado de fila, em direção a quatro caminhões em estilo exército: com a carroceria coberta por uma lona.

Meu caminhão ficou com uma fila de garotas e  nos sentamos garotos de um lado e garotas do outro.

A minha frente, um garota de cabelos escuros e olhos demasiadamente azuis e expressão dura ficou olhando para o piso enlameado. Sua pele era tão pálida que me perguntei como poderia permanecer daquela cor após o sol escaldante que havíamos tomado. 

Então ele ergueu o olhar e eu desviei o meu. Já  havia visto de relance no ônibus, indo para o aeroporto. Sua expressão continuava a mesma. Me perguntei o que será que ele poderia ter feito para estar ali.

*


O caminhão parou em uma clareira protegida por uma grande cerca de arame farpado, descemos ali e ficamos em pé, um ao lado do outro.

- Vocês vão entrar, se despir, passar pela pesagem e pegar seus novos mantimentos. Na ordem da fila. Os que pegarem vão encaminhando-se de volta ao caminhão.

As cabanas não eram muito grandes: construções simples feitas de madeira com o teto de palha. Engoli em seco observando os garotos entrarem um após outro e saírem com um saco de lona branca contendo algumas coisas dentro. Até que chegou minha vez.

Subi as escadas e me deparei com o primeiro guarda. Ele ordenou que eu retirasse minhas roupas e adentrasse numa cabine que parecia de banheiro público.  Quando o fiz, ele acionou um jato tão forte de água que só não fui derrubado pois me agarrei as paredes no último momento. A dor em minhas mãos e em minhas costas, estranhamente passou, foi como se houvessem me dado uma injeção de adrenalina.

Ele me entregou uma calça jeans esfarrapada e uma camisa amarelada e um tanto folgada demais. Segui para a próxima sala onde encontrei mais dois guardas com pranchetas em mãos ao lado de uma balança.

- Nome?

- Mufasa Reed.

- O pai do Simba? - Perguntou rindo.

- Idade? - Falou o guarda número dois, cortando a piada do outro.

- 16 anos.

- Suba na balança.

Subi na balança metálica que mostrou meus 75 kg.

- 75kg e 1,80 m. OK. Pode ir.

Segui a diante para a próxima sala onde um dos guardas retirou uma especie de marca gado de um forno a lenha e puxou meu antebraço gravando ali um símbolo: uma ave de asas abertas com chamas em volta.

Fiquei tonto com  dor mas resisti ao impulso de gritar, o que pareceu agradar o soldado a minha frente. Ele me entregou uma sacola de lona e me encaminhou a saída.

Caminhei de volta ao caminhão e fiquei observando minha tatuagem nova, que ardia como se ainda estivesse acesa em brasa. A garota sorridente que falara comigo se pronunciou novamentganhei

- Não ganhei uma. É uma fênix, símbolo da ilha. De alguma forma agora é oficial, fazemos parte disso tudo.

- Por que tem fogo ao redor dela? - Perguntei mas a pergunta que estava em minha mente era: por que ela não havia sido marcada como eu?

- Dizem que a fênix quando morre irrompe em chamas e, em seguida, renasce das cinzas.

- Piadinha de mal gosto. - Falei ao perceber a referência a nós mesmos no símbolo da ilha.

Íamos parar ali como criminosos, deveríamos esquecer de tudo o que conhecíamos e assim nos tornar novas pessoas. Morrer e renascer das cinzas. Se não fosse bizarro, seria uma ótima filosofia.

*


Após mais meia hora de solavanco no caminhão, paramos em uma nova clareira, cercada por uma nova parede de arame farpado. O guarda levantou-se e nos encarou.

-Vamos todos, órfãos! Em filas! Garotas a direita e garotos a esquerda! Mexam-se!

Nos levantámos e seguimos o instrutor. Ele nos conduziu a uma cabana a esquerda e nossa fila foi dividida: três portas, três quartos, três grupos.

Meu grupo adentrou no primeiro quarto. Era uma construção simples, feita de madeira e com teto de palha. Cheirava a suor e podridão. Haviam quatro beliches: duas de cada lado. E dois baús ao lado de cada uma.

Nos dividimos em grupos de dois, orientados pelo guarda que ficara de braços cruzados na porta, nos observando.

Fiquei com a cama de baixo dos fundos da esquerda. O garoto de olhos azuis ia dividir o beliche comigo. Quase agradeci por não ter de subir as escadas para dormir. Minhas pernas estavam tão resistentes quanto mingau.

- Muitos de vocês podem afirmar que viram coisas ruins na vida. Mas nada, absolutamente nada, foi pior que a ilha Fênix. Essa marca em seus braços é para não se esquecerem, por nem um só dia, o que vieram fazer aqui. - O garoto ao meu lado se remexeu, incomodado e percebi que ele também não havia sido marcado. - Essas paredes do lado de fora, não são para isolá-los. Não são para impedir vocês de saírem e sim impedir o que tem lá fora de entrar. Existem criaturas selvagens por toda a ilha, sedentas pelo sangue de todos vocês.  Se tentarem fugir nadando, não terão mais sucesso. O mar está repleto de tubarões. Por isso eu digo: mantenham-se na linha. Estamos entendidos?

- Sim, senhor!

- Descansar!

O homem virou-se e apagou as luzes. Deixando oito garotos atônitos sem saber o que fazer. Suspirei e me deitei, percebendo o quão cansado estava.

Meus olhos estavam começando a fechar quando ouvi um barulho. Algo que já ouvira muitas vezes em outros reformatórios: o som de alguém arrancando partes da cama e afiando para usar como armas.

Ali não havia regras. Estavamos longe da civilização. Não eramos ninguém. Tudo poderia acontecer.

*


Um sonho começava a se formar em minha mente quando senti uma mão indo em contato com a minha boca. Abri os olhos alarmado e segurando o braço que me calava quando percebi quem era. O garoto de olhos extremamente azuis estava ao meu lado, pedindo que eu fizesse silêncio. Em sua mão havia algo que parecia uma bengala. Eu não havia reparado que ele era manco.

O garoto retirou a mão da minha boca de forma lenta e eu não gritei como um lunático, por mais que quisesse perguntar "mas que porra". Ele caminhou na direção da porta do nosso muquifo e eu o segui, andando na ponta dos dedos para não acordar la outros garotos.

A porta foi aberta e logo ambos estávamos do lado de fora, respirando o ar úmido daquela floresta. Foi o momento que eu o olhei e percebi que não era de fato manco. A sua suposta bengala era uma das vigas da cama que ele havia arrancado e afiado sabe-se lá como.

- Não sei quem é você mas já tive problemas demais para um dia só.

- Maven.

- O que?

- Meu nome.

E falou aquilo como se explicasse todo o resto. Pude perceber que ele olhava em direção ao chalé das meninas e torci para que ele não quisesse ir até lá. Foi quando uma garota de cabelos loiros saiu sorrateiramente e veio caminhando até nós.

- Hey, você é a garota de Hogwarts.

- E você é o pai do Simba. - Falou com a expressão impaciente. - Vamos vocês dois, temos que sair daqui.

Antes que eu pudesse protestar, a loira puxou meu braço e caminhou em direção ao portão de arame. O garoto, Maven, vinha logo atrás com sua viga afiada. Ou seja: não iam me deixar voltar. Só podíamos imseguir em frente.

Maven empurrou o cadeado com sua lança improvisada conseguindo rompê-lo e fazer muito barulho com isso. A garota loira puxou as correntes e abriu o portão, correndo em direção a selva. Maven me olhou e eu soube que tinha que fazer o mesmo. Em pouco tempo estávamos os três correndo em direção a lugar nenhum com sirenes alarmando as nossas costas.

*


Estavamos correndo a cerca de quarenta minutos. Pelos meus cálculos,  os guardas já deveriam estar em nossa perseguição. Se quiséssemos escapar, tínhamos que 1) nos esconder; 2) entrar em um mar repleto de tubarões. Nenhuma das duas me parecia agradável mas a primeira era, de fato, mais letal.

Foi então que ouvimos o primeiro indício que realmente haviam criaturas naquela floresta. Um leve tremor de terra nos fazia tropeçar a cada passo da coisa em nossa direção. Eu engoli em seco só de pensar. Me segurei em uma árvore, ainda ofegante. Os dois a minha frente pararam e se viraram.

- Vamos, não temos tempo! - Falou Maven.

- Talvez possamos descansar um pouco, irmão. - Falou ela acalmando-o.

- E virar espetinho ciclope, May?

- Seria uma pena, esqueci meu barbecue.

Eu quase consegui sorrir. Quase. Foi então que a coisa nos alcançou. Era o bicho mais feio e fedido que eu já vi na vida. Tinha cerca de três metros e um só olho. Usava trapos esfarrapados e tinha uma espécie de bucha de lavar pratos no lugar dos cabelos. Literalmente.


O homem gigante se aproximava e parecia atraído exatamente para onde nós estávamos.

- Ótimo. Vou lutar contra ele com esse palitinho de fósforos. - Reclamou Maven. - Ande, cara. Pegue alguma coisa!

- Tipo?! Aqui só tem folhas e pedras e...

Foi aí que eu avistei uns pedaços de cipó. Não podíamos vencê-lo, mas, se o agarrássemos,  ganharíamos tempo e conseguiríamos chegar a praia.

- Tenho um plano.

Falei isso e corri em direção a floresta, podendo ouvir a garota reclamar a plenos pulmões.

- Mas que porra, demoramos um mês pra encontrar ele e ele foge na primeira oportunidade!

Mas eu não ia fugir. Fiquei observando enquanto o garoto tentava afastar o gigante com sua lança improvisada. Meus olhos viajavam nas sombras caçando alguma espécie de cipó que eu pudesse usar. Fui pegando todos que via pela frente, quando já tinha uns sete em mãos, corri para o outro lado. Pela visão periférica pude ver o garoto com o braço machucado e a garota, May, curando-o para que pudesse continuar lutando. Pensei que estava delirando mas depois de tantas loucuras em um dia só, nada seria impossível.

Consegui atravessar a mata e comecei a subir em uma árvore, amarrando os ramos que segurava em galhos grossos e firmes. Comecei a pegar mais cipós soltos e atravessei a clareira novamente, fazendo o mesmo do outro lado. Até que, e um lado e outro, a clareira estava cercada, como um ringue grande e bruto.

Corri até onde Maven e May estavam e gritei para eles, gesticulando como um louco e chamando-os em minha direção. Eles passaram por um espaço que eu havia deixado e logo comecei a emendar os ramos um no outro enquanto o ciclope vinha a toda em nossa direção. Antes de saber se minha armadilha improvisada o aguentaria ou não, corremos.

Maven ia a frente, eu e May logo atrás. Em pouco tempo estavamos na pista de pouso novamente, o mar a nossa frente banhado de tons de preto e azul marinho. No céu estavam três cavalos com asas: pegasos.

Os três desceram ao nosso encontro e antes que pudéssemos pensar em alguma coisa, vimos o ciclope correndo em nossa direção. Montamos os cavalos voadores e partimos em direção a escuridão.

ONDE ELE ESTÁ?

avatar

Filhos de Poseidon
Filhos de Poseidon


Ficha Olimpiana
Vitalidade (HP):
140/140  (140/140)
Energia (EP):
105/140  (105/140)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Teste para Filhos de Poseidon

Mensagem por Zeus em Ter 27 Jun 2017 - 21:07

Avaliações


Pai do Simba Mufasa

Então, eu não olhei rei leão.
Seu teste foi ótimo, maravilhoso, adorei, já quero May e Maven resgatando semideuses, eles fazem uma ótima equipe. Achei alguns erros, umas palavras muito loucas, mas tá tudo perdoado. Beijos de luz e bem vindo  a equipe Rocket filho de Poseidon.

Não esquece de mandar o presente opcional por MP.

Atenciosamente a Administração
avatar

Deuses
Deuses


Ficha Olimpiana
Vitalidade (HP):
1000000000/1000000000  (1000000000/1000000000)
Energia (EP):
1000000000/1000000000  (1000000000/1000000000)

Ver perfil do usuário

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Teste para Filhos de Poseidon

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum